Please use this identifier to cite or link to this item: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/5907
metadata.dc.type: conferenceObject
Title: O conceito de natalidade em Hannah Arendt.
Authors: Azevedo, Daniela Grillo de
Schio, Sônia Maria
Abstract: O método de abordagem utilizado é o hermenêutico, procurando interpretar, nas obras da autora, as passagens em que ela deixa evidente seu conceito de natalidade. As obras estudadas, nesse sentido, são “As Origens do Totalitarismo” (1951) e a “A Condição Humana” (1958), em especial. Na primeira obra, Arendt identifica nos Regimes Totalitários a causa do “mal radical”, em que a categoria política da natalidade é alterada para a da “mortalidade” em massa de pessoas consideradas supérfluas. Ela entende que a principal propriedade deste regime é a aniquilação da liberdade, o desaparecimento da individualidade, momento em que o cidadão nazista é um só: o membro do “estado total”. Na segunda, a autora caracteriza a vita activa. Essa obra é uma reconsideração da condição humana, uma proposta para que se reflita sobre o que se faz, isso a partir das três principais atividades humanas, segundo Arendt: o labor, o trabalho e a ação. A natalidade é importante para a ação, pela possibilidade do novo que ela porta.
Keywords: Filosofia
Hannah Arendt
Natalidade
metadata.dc.language: por
Publisher: Universidade Federal de Pelotas
Citation: AZEVEDO, D.G., SCHIO, S.M.. O conceito de natalidade em Hannah Arendt. In: ENPOS, 13, 2011, Pelotas. Anais eletrônicos... Pelotas: UFPel, 2011. Disponível em: http://www2.ufpel.edu.br/enpos/2011/anais/pdf/CH/CH_00518.pdf. Acesso em 15/06/2020.
metadata.dc.rights: OpenAccess
URI: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/5907
Issue Date: 2011
Appears in Collections:Departamento de Filosofia: Trabalhos em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
O_CONCEITO_DE_NATALIDADE_EM_HANNAH_ARENDT.pdf30,87 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons